Psicólogo e cliente: o primeiro encontro

Atualizado: 22 de ago. de 2019



O que é o encontro? Quando ele acontece? Quando duas pessoas estão dispostas a moverem-se na mesma direção, buscando se conhecerem, procurando entrar em sintonia uma com a outra.


Os psicólogos por obrigação de ofício são escutadores. Já no primeiro encontro, seja qual for a linha de atendimento, nos colocamos de prontidão para escutar cada palavra, observar cada gesto daquele que nos procura pedindo ajuda.


No processo terapêutico, o primeiro encontro é fundamental, esse é o momento em que dois desconhecidos sentam-se face a face, e cabe a nós, terapeutas, oferecer as condições para que o cliente sinta-se acolhido. Mesmo mantendo uma postura reservada, é preciso escutar, aceitar e entender a pessoa que nos cumprimentou pela primeira vez.


Cliente porque o terapeuta facilita o processo de tratamento, cabendo ao cliente a responsabilidade por sua condução e sucesso. Enquanto paciente vem de "passivo", indica uma pessoa em uma condição passiva, a espera do tratamento. Cliente é aquele que incentivado pelo psicoterapeuta toma decisões e escolhe o que é melhor para si.


Na minha prática como psicólogo aprendi como é fundamental escutar o cliente no momento do encontro terapêutico, dar espaço para que ele fale de sua vivência, daquilo que é significativo para ele e dos seus sentimentos mais íntimos. O cliente, auxiliado pela ajuda terapêutica, acaba por modificar ou amadurecer o conceito que tem de si e passa a reavaliar suas estratégias de vida e visão de mundo.


O processo terapêutico é fruto da ação do próprio cliente, de sua imersão no processo terapêutico e de seu grau de investimento no mesmo. O terapeuta age como um facilitador e um espelho para os sentimentos e pensamentos do cliente, que passa a tomar mais consciência e contato com seu material vivencial, “percebendo” aspectos de sua personalidade e de seus comportamentos que lhe escapavam anteriormente.


Por fim, é bom lembrar que a atuação do psicólogo desde a primeira sessão de psicoterapia atende também aos princípios éticos que regem nosso trabalho. As recomendações do Código de Ética Profissional dos Psicólogos (Conselho Federal de Psicologia, 2005), deve ser nosso livro de cabeceira.


Dica de leitura:

Feldman, Clara. Encontro. Uma abordagem humanista. Belo Horizonte: Editora Crescer, 2006.

Junqueira, Eduardo. A escuta no primeiro encontro. In: HANMER, Paula e JUNQUEIRA, Maria Claudia de A. Viana. Escutar – Habilidade e Arte - Como escutar pode fazer a diferença entre o sucesso e o fracasso em nossa vida. São Paulo, Ed: Editora Biblioteca 24 Horas, 1 edição.